O processo para implantar uma nuvem híbrida

Oferecendo a flexibilidade de usar uma combinação de infraestrutura pública e privada, a nuvem híbrida tornou-se uma meta comum para muitas equipes de TI corporativas. Mas a implementação desse modelo pode introduzir desafios significativos. Já abordamos o que é nuvem híbrida aqui no site, mas não nos estendemos na explicação de como implantar ou implementar um sistema em nuvem desse tipo, por isso, dessa vez vamos falar um pouco mais sobre como aderir à essa solução.

Teste de Conceito

Primeiro, será necessário avaliar como as alterações de hardware irão afetar a migração das máquinas virtuais existentes para a nuvem pública, pois provavelmente os provedores de nuvem pública poderão executar sua infraestrutura em um hardware mais recente e avançado do que o que está acessível localmente. Prepare-se para diferenças em relação à memória, ao desempenho da unidade de estado sólido e à largura de banda da rede, você também pode fazer testes em um ambiente de sandbox para escolher e otimizar as instâncias de computação em nuvem pública.

Em seguida vem a migração de dados, exclua arquivos desnecessários e determine onde hospedar cada conjunto de dados, estritamente no local, na nuvem pública ou em ambos. Para realizar a migração real, dê preferência ao método fragmentado, que ocorre em fases e, geralmente, sem tempo de inatividade, em relação à abordagem do big bang, que requer tempo de inatividade.

Devido à falta de padrões entre nuvens, a criação de scripts para configurar redes virtuais na nuvem pública pode ser complicada. Use uma ferramenta de tradução para tornar a transição mais suave.

A etapa final é a resiliência e o teste de failover, aqui se deve percorrer cada processo várias vezes para garantir que ele funcione corretamente e que as operações possam continuar no caso de um desastre.

nuvem híbrida

Preparação de aplicativos

Comece com a divisão de componentes de aplicativos no ambiente de hospedagem, seja de nuvem pública ou privada, no qual eles serão mais bem executados, com base no custo, desempenho e outros fatores.

Como muitas equipes de TI optam por hospedar front-ends de aplicativos em nuvem pública e back-ends de aplicativos em nuvem privada, a próxima etapa é projetar o fluxo de trabalho de comunicação para APIs nesses dois ambientes.

Em seguida, controle um espaço de endereço de rede virtual privada (VPN) atribuindo dinamicamente sub-redes IP a usuários e aplicativos. Para endereços de nuvem pública, saiba como seu provedor de nuvem gerencia endereços IP e mapeie-os consistentemente em seus espaços de diretório e VPN.

Por fim, tenha um balanceador de carga que suporte componentes na nuvem e no data center, e realize testes para garantir que ele funcione efetivamente na nuvem híbrida.

Práticas de segurança

Não deixe que a segurança seja uma reflexão tardia na sua implantação de nuvem híbrida. Em vez disso, estabeleça planos de segurança sólidos em seu projeto inicial para evitar brechas na proteção.

Primeiro, entenda o modelo de responsabilidade compartilhada do seu provedor de nuvem, mantendo uma linha aberta de comunicação para saber exatamente onde as responsabilidades de segurança do provedor terminam e onde começam as suas.

Além disso, implemente um modelo de segurança de confiança zero e criptografia de dados. Incentive o DevSecOps a automatizar as verificações de segurança em ambientes de desenvolvimento e teste.

Orquestração

Quando associada à automação, a orquestração também elimina o provisionamento de TI manual, reforça a segurança e minimiza a solução de problemas.

Em uma implantação de nuvem híbrida, uma ferramenta de orquestração deve ser capaz de determinar se uma instância de máquina virtual é executada de maneira mais eficiente e econômica em nuvem pública ou privada. Em muitos casos, as organizações precisarão adotar uma ferramenta de orquestração de terceiros para nuvem híbrida, pois as ferramentas nativas de orquestração dos provedores de nuvem pública nem sempre funcionam fora de suas respectivas plataformas.

Monitoramento

Para manter uma implantação de nuvem híbrida bem-sucedida, saiba como monitorá-lo. Colete um subconjunto de dados de monitoramento das várias plataformas de nuvem usadas em uma camada de monitoramento centralizada, isso padroniza as práticas de monitoramento e garante que os alertas sejam enviados para as pessoas certas.

Em seguida, defina os principais indicadores de desempenho importantes a serem monitorados e reavalie-os continuamente para priorizar os mais críticos para os negócios. Além disso, estabeleça um limite de alerta balanceado, muitos alertas causam fadiga de alerta, enquanto poucos não sinalizam adequadamente os problemas.

Conecte ferramentas de monitoramento a aplicativos de comunicação, dessa forma, você pode ver com que frequência a equipe de TI aborda um problema específico. Quando esse mesmo problema ocorrer novamente, use as comunicações anteriores para resolvê-lo mais rapidamente.

Entrar em contato